SEQUELAS DA COVID APÓS INTERNAÇÃO PODEM AFETAR PACIENTES POR UM ANO OU MAIS

Para quem está internado, nada mais animador do que receber o termo de alta. Nessa hora, a sensação natural é de que o problema que levou à hospitalização foi, enfim, sanado. Isso até a Covid mudar profundamente esse paradigma, por conta da quantidade de sequelas que muitos pacientes apresentam.

As experiências anteriores com outras viroses respiratórias davam a impressão de que a covid-19 se restringiria ao sistema respiratório, aos pulmões. Mas vimos uma doença que, de cara, se mostrou sistêmica: o vírus circula no corpo e acomete qualquer órgão.

Dependendo do grau de acometimento dos órgãos, há lesões agudas, e o que não se esperava é que tais lesões não iriam cicatrizar de forma adequada. Muitas cicatrizam de forma exagerada e deixam sequelas.

Após um ano, 60% deles apresentam sequelas como falta de ar, fraqueza, fadiga e dificuldade de concentração e memória.

São problemas que ganham contornos ainda mais graves quando somados a uma outra sequela comum: a instabilidade emocional. É um medo do que não se conhece, o medo de quem vivencia todos os dias uma experiência diferente.

Fonte: Estadão

Data de publicação: 31/10/2021

SEQUELAS DA COVID APÓS INTERNAÇÃO PODEM AFETAR PACIENTES POR UM ANO OU MAIS

Para quem está internado, nada mais animador do que receber o termo de alta. Nessa hora, a sensação natural é de que o problema que levou à hospitalização foi, enfim, sanado. Isso até a Covid mudar profundamente esse paradigma, por conta da quantidade de sequelas que muitos pacientes apresentam.

As experiências anteriores com outras viroses respiratórias davam a impressão de que a covid-19 se restringiria ao sistema respiratório, aos pulmões. Mas vimos uma doença que, de cara, se mostrou sistêmica: o vírus circula no corpo e acomete qualquer órgão.

Dependendo do grau de acometimento dos órgãos, há lesões agudas, e o que não se esperava é que tais lesões não iriam cicatrizar de forma adequada. Muitas cicatrizam de forma exagerada e deixam sequelas.

Após um ano, 60% deles apresentam sequelas como falta de ar, fraqueza, fadiga e dificuldade de concentração e memória.

São problemas que ganham contornos ainda mais graves quando somados a uma outra sequela comum: a instabilidade emocional. É um medo do que não se conhece, o medo de quem vivencia todos os dias uma experiência diferente.

Fonte: Estadão

Data de publicação: 31/10/2021

Parceiros